Violência na Índia

02jul08

Artigo da Martha Nussbaum (leiam essa dona) na Dissent sobre a violência em Bengala Ocidental, causada pelo esforço do governo comunista de industrializar na marra.

Ótimo para quem quiser saber como anda a Índa, em especial as áreas historicamente sob governo comunista (eleito democraticamente), como anda a esquerda indiana, e como anda o esforço de modernização por governos stalinistas pró-capital, cujos membros tendem a ser de casta superior. Um bom teste para os candidatos no vestibular de sociologia seria: vocês acharam a frase anterior interessante ou não? Se não, se mandem.

A violência causou um racha na esquerda de Bengala Ocidental, com a formação de um grupo grande de artistas e intelectuais (entre eles o Amartya Sen) que criticam a violência, ao mesmo tempo em que apóiam o esforço de industrialização, desde que se ofereça alternativas de treinamento para os camponeses que venderem suas terras, que se pague um preço justo por elas, etc. A Nussbaum, que foi co-autora do Sen, conhece todo mundo lá na esquerda indiana e oferece um quadro bastante rico.

Em síntese:

“What led to this breakdown in governance? The seeds of catastrophe lie, no doubt, in the never-sufficiently-de-Stalinized background of this Party, always suspicious of democracy, always used to treating people as agents of class struggle rather than as individual human beings who need specific life prospects if they are to give up their land. This general orientation toward human beings led to a lack of appreciation that an industrial strategy, even if basically correct, needs to focus on what real people are able to do and to be, rather than thinking only in statistical terms. ”

Porque isso é importante? Porque reafirma a necessidade da esquerda criticar a esquerda anti-democrática, sempre. Ao contrário do que faz o Chomsky (quaisquer que sejam seus outros méritos) no episódio em questão:

“A particularly fatuous document of this kind was a letter authored by Noam Chomsky, signed by a number of Indian American intellectuals who should know better, and published in the Hindu, a leading national India newspaper, on November 22, 2007. Besides lauding the CPI(M) for “important experiments” for which it deserves no particular credit (such as “local self-government”), the letter reasons that people on the left ought to focus on opposition to the actions of the United States in Iraq, rather than fighting with one another. “This is not the time for division when the basis of division no longer appears to exist,” concludes Chomsky, having asserted, entirely without cause on that date, that things are basically back to normal and that the two sides have reconciled. This is the type of left politics that holds that the enemy of my enemy is my friend, no matter how many rapes and murders that friend has actually perpetrated.”

PS: Gostaria de saber como o governo de Kerala, historicamente o governo comunista mais bem sucedido da Índia (e talvez do mundo), lidou com esses fatos. Aliás, eu tenho uma certa curiosidade sobre o que daria uma reflexão conjunta das esquerdas brasileira e indiana.

PS: vejam que maravilha:”na ocasião do Prêmio Nobel de Sen houve uma parada comemorativa de um milhão de pessoas em Calcutá”.



No Responses Yet to “Violência na Índia”

  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: